Cirurgia Bariátrica

Cirurgia Bariátrica  –  A obesidade é hoje considerada uma doença crônica por diversas entidades médico científicas do mundo e pela Organização Mundial da Saúde, que resulta da associação de fatores ambientais e genéticos.
A doença da obesidade está associada a altos custos sociais, psicológicos e econômicos e está relacionada ao aumento da mortalidade por qualquer causa e redução da expectativa de vida do indivíduo.
Existem diferentes maneiras da medição da obesidade, e a mais utilizada no meio médico é o índice de massa corporal (IMC). Este índice é calculado pela fórmula Peso (kg)/Altura (m)2, onde dividimos o peso em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Os parâmetros de faixas de peso utilizados são:
                                               IMC
Normal                           18,9 a 24,9
Sobrepeso                     25,0 a 29,9
Obesidade grau I          30,0 a 34,9
Obesidade grau II        35,0 a 39,9
Obesidade grau III       a partir de 40
Pacientes com IMC acima de 50 são considerados super obesos e tem índices de complicações do tratamento acima dos pacientes com faixas de peso menores.
No Brasil o CFM define as diretrizes para realização da cirurgia da obesidade, bem como as técnicas estabelecidas.
Nas diretrizes fica estabelecido que:
Idade:  pacientes de 18 a 65 anos poderão ser operados caso preencham os demais critérios. Pacientes acima de 65 anos e entre 16 e 18 poderão ser operados após avaliação de cada caso em particular.
IMC: pacientes com IMC igual ou acima de 40, ou pacientes com IMC entre 35 e 39,9 portadores de doenças associadas que são agravadas pela obesidade podem ser operados.
Tempo de doença: pacientes com obesidade há mais de 5 anos e tentativa de tratamento clínico sem sucesso por 2 anos são candidatos a cirurgia da obesidade
Equipe Multidisciplinar: é obrigatório o acompanhamento por equipe formada por no mínimo cirurgião, endocrinologista, nutrólogo ou nutricionista, psicólogo ou psiquiatra. Outros profissionais podem ser necessários de acordo com o perfil de cada paciente
Contra indicação: doenças psiquiátricas graves, quadros psicóticos em atividade, quadros demências ou dependência de drogas ou álcool.
As cirurgias consideradas padrão por essa diretriz são a banda gástrica ajustável, gastrectomia vertical, derivação gastrojejunal em Y de Roux, cirurgia de Scopinaro ou de “switch” duodenal.
INDICAÇÃO DA CIRURGIA
 
Como era
Como ficou
Pacientes com IMC maior que 35 kg/m² e afetados por comorbidezes que ameacem a vida, tais como diabetes tipo 2, apneia do sono, hipertensão arterial, dislipidemia, doença coronária, osteo-artrites e outras
Pacientes com IMC maior que 35 kg/m² e afetados por comorbidezes que ameacem a vida como: diabetes, apneia do sono, hipertensão arterial, dislipidemia, doenças cardiovasculares incluindo doença arterial coronariana, infarto de miorcárdio (IM), angina, insuficiência cardíaca congestiva (ICC), acidente vascular cerebral, hipertensão e fibrilação atrial, cardiomiopatia dilatada, cor pulmonale e síndrome de hipoventilação, asma grave não controlada, osteoartroses, hérnias discais, refluxo gastroesofageano com indicação cirúrgica, colecistopatia calculosa, pancreatites agudas de repetição, esteatose hepática, incontinência urinária de esforço na mulher, infertilidade masculina e feminina, disfunção erétil, síndrome dos ovários policísticos, veias varicosas e doença hemorroidária, hipertensão intracraniana idiopática (pseudotumor cerebri), estigmatização social e depressão.
 
IDADE MÍNIMA
 
Como era
Como ficou
Maiores de 18 anos. Jovens entre 16 e 18 anos podem ser operados, mas exigem precauções especiais e o risco/benefício deve ser bem analisado.
Adolescentes com 16 anos completos e menores de 18 anos poderão ser operados, mas além das exigências anteriores, um pediatra deve estar presente na equipe multiprofissional e seja observada a consolidação das cartilagens das epífises de crescimento dos punhos. A cirurgia em menores de 18 anos é considerada experimental.
 
CIRURGIAS EXPERIMENTAIS
 
Como era
Como ficou
Não havia essa previsão
Quaisquer cirurgia que não seja a banda gástrica ajustável, a gastrectomia vertical, derivação gastrojejunal e Y de Roux, a cirurgia de Scopinaro ou de ‘switch duodenal’, são consideradas experimentais e não devem ser indicadas.
Fonte: CFM