Cirurgia Laparoscópica

A cirurgia laparoscópica começou a se popularizar no mundo no final da década de 80, início da década de 90. As primeiras cirurgias no Brasil ocorreram a partir de 1992.

A laparoscopia é uma forma de acesso ao interior do corpo humano através de pequenas incisões, de modo a evitar grandes cortes. Através dessas pequenas incisões são introduzidas cânulas de acesso a cavidade abdominal, que permitem a passagem de óticas e pinças, e consequentemente a visualização e manipulação dos órgãos no interior desta cavidade.

Para cada órgão que se deseja abordar é necessário um posicionamento específico da ótica e cânulas, sendo variável o número de cânulas necessárias a cada procedimento.

Para a manipulação dos órgãos internos, é necessário que se crie um espaço dentro do abdômen do paciente, e para isso é insuflado um gás na cavidade abdominal. O gás padrão para a laparoscopia é o CO2 (gás carbônico). Esse gás tem a vantagem de ser rapidamente absorvido e eliminado organismo e não ser inflamável, permitindo a utilização de corrente de energia na cirurgia, sem o risco de explosões ou combustão interna. Como desvantagem, o CO2 é extremamente irritante ao tecido de revestimento do abdômen (o peritôneo), gerando dor no pós operatório imediato, e sua absorção na corrente sanguínea pode gerar enjôo em pacientes mais sensíveis.

Apesar dessas desvantagens citadas, a laparoscopia diminui o trauma à parede abdominal, permitindo que as cirurgias sejam realizadas com incisões menores, e no somatório geral, permitam uma recuperação mais rápida e confortável dos pacientes.

Hoje a laparoscopia é o acesso de escolha em diversas cirurgias, permitindo uma alta e retorno as atividades habituais mais precoce dos pacientes.

A laparoscopia é o padrão ouro para a colecistectomia (retirada da vesícula), cirurgias anti-refluxo e da hérnia de hiato, cirurgia da obesidade mórbida, de alguns tipos de hérnia, cirurgias do cólon e reto, do apêndice entre outras. A cada dia se ampliam as indicações para o uso da laparoscopia na cirurgia geral, digestiva e oncológica.

Exemplos:

Apendicectomia laparoscópica

 

Colecistectomia laparoscópica:

Hérnia inguinal: